fevereiro 21, 2017

Visão de futuro

Visão de futuro para Foz

Foz do Iguaçu já chegou a ser a 4ª cidade mais populosa do Paraná e dona de uma das mais dinâmicas e aquecidas economias do estado, mas na última década, as coisas não andaram bem por aqui.

Os ciclos de desenvolvimento das décadas de 1970, 1980 e 1990 se esgotaram e não foi pensado um novo modelo de desenvolvimento para nossa cidade. Isso tem se refletido em baixo crescimento econômico, na perda de empregos, na redução da população da cidade, em baixa arrecadação de impostos, aumentos de impostos e serviços públicos precários.

As últimas projeções do IPardes mostram que se nada for feito, até 2040, Foz irá perder mais 45 mil habitantes que sairão de cidade em busca de melhores condições de vida em outros lugares.

NÃO PODEMOS DEIXAR ISSO ACONTECER. PRECISAMOS COLOCAR EM EXECUÇÃO UM NOVO PROJETO DE DESENVOLVIMENTO PARA A CIDADE.

Queremos viver nossas vidas aqui e dar a melhor condição de vida possível para nossas famílias, mas mudar esse quadro está em nossas mãos. Sabemos o que deve ser feito para criar um futuro próspero para Foz.

Acreditamos que Foz do Iguaçu pode ser reconhecida por muitos outros aspectos além de seus principais pontos turísticos. Pode também ser uma cidade modelo no aspecto político.

Para isso, precisamos de uma política que PENSE GRANDE e PARA FRENTE, tenha uma clara visão para o futuro da cidade, e não fique somente administrando privilégios para pequenos grupos.

Precisamos entender que uma cidade só dará uma boa vida para a sua população se ela tiver vivendo um bom ciclo de desenvolvimento econômico. Sem investimentos, oportunidades de negócio, um mercado aquecido, bons empregos e bons salários para a população, não há como uma cidade estar bem para a população em geral.

Retomar o desenvolvimento econômico em nossa cidade deve ser a obsessão dos gestores públicos. E para isso, diversas iniciativas precisam ser desencadeadas:

  1. Trazer para a cidade indústrias de transformação e processamento, como por exemplo no campo do agronegócio, dando ênfase a integração de Foz na cadeia produtiva do Oeste do Paraná, é uma iniciativa de enorme potencial para retomar o desenvolvimento perdido por nossa cidade.
  2. Participar mais com os acontecimentos do Oeste do Paraná em diversas áreas: agronegócio, inovação, tecnológica, turismo, comércio exterior, logística, industrialização, cooperativas e demais. 
  3. Propor leis de incentivo no município, fornecendo vantagens reais para que novas empresas, indústrias, complexos turísticos e de entretenimento vejam em Foz um lugar atraente para se fixarem.
  4. Recomendar aos nossos vizinhos uma verdadeira integração, facilitando a ida e vinda entre os países.
  5. Foz do Iguaçu tem potencial para ser um grande ponto de passagem do comércio do Mercosul e não somente um ponto final. Podemos trazer enormes oportunidades para nossa cidade, para tornar Foz o hub logístico de todo o Mercosul.
  6. Nossa posição geográfica nos permite reivindicar que passe por aqui o principal o corredor logístico latino-americano entre o Pacífico e o Atlântico (que facilitaria o acesso do mercado brasileiro ao mercado asiático, o que mais cresce no mundo), bem como uma ligação entre o lago de Itaipu e todo o sistema hidroviário Paraná-Tietê com os portos de Montevideo e Buenos Aires (que baratearia os custos para escoamento de parte da safra de grãos do Oeste do Paraná, do Centro-Oeste do Brasil e do Paraguai).
  7. Isso tudo traria centenas de milhões em investimentos para a região e muitos empregos e renda para a população.
  8. Foz precisa de tratamento diferenciado por sua condição ímpar de cidade em uma Tríplice Fronteira a fim de se tornar competitiva com os comércios dos outros dois países e fazer com que as centenas de milhares de turistas que passam por aqui todo ano gastem mais em nosso país, gerando riqueza para a cidade e mais receitas em impostos para o governo, ao invés de somente sustentar o comércio além da fronteira. É urgente que seja aprovada a criação de uma zona de livre comércio em Foz, para que mercadorias estrangeiras ou nacionais fossem enviadas para cá para beneficiamento ou consumo, em moldes semelhantes ao do Projeto de Lei 5987/2016 que está em tramitação na Câmara Federal.

Mas não sejamos ingênuos: tudo isso depende de muita vontade política. Isso tudo não irá acontecer se Foz não tiver mais força política nos fóruns onde as grandes decisões são tomadas. FOZ PRECISA TER MAIOR REPRESENTATIVIDADE NA ASSEMBLÉIA EM CURITIBA E NA CÂMARA FEDERAL EM BRASÍLIA.

Foz precisa de mobilização, de união, e eleger representantes locais, realmente comprometidos com o desenvolvimento da cidade, para lembrar Curitiba e Brasília que Foz do Iguaçu tem uma condição especial (e problemas bem específicos) por ser a maior cidade de fronteira seca do país, além de ser um dos maiores pólos turísticos do país e ter todo o potencial elencado acima. Foz precisa de atenção do estado e da União para enfrentar seus problemas, e para isso, precisa de deputados comprometidos com sua causa.

Foz é uma cidade muito rica, e para investir e transformar a cidade, é preciso ter um bom plano, uma classe política comprometida com ações de longo prazo, união da sociedade, gerenciar bem o dinheiro público, atrair investimentos e fazer um verdadeiro choque de gestão da cidade.

Phelipe Mansur

Perfil

Phelipe Mansur é empresário e administrador.

VER PERFIL